Esportes, Paulistão

Fluminense derruba liminar e volta a ter vínculo com Gustavo Scarpa; disputa pode forçar acordo

Fluminense derruba liminar e volta a ter vínculo com Gustavo Scarpa; disputa pode forçar acordo
Scarpa tem multa rescisória de R$ 200 milhões. Foto: Guilherme Rodrigues/Futura Press/Folhapress

Após perder Gustavo Scarpa para o Palmeiras, o Fluminense conseguiu reverter a decisão que permitiu ao jogador se transferir para o Alviverde. Em decisão do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ), os advogados tricolores derrubaram a liminar que o desvinculava do clube das Laranjeiras.

Com a liminar sem validade, o vínculo com o Fluminense pode ser restabelecido. O clube agora estuda se solicita o retorno de Scarpa ou se cobra a multa prevista em contrato. Há ainda a possibilidade de negociação entre os clubes.

O mérito do caso ainda vai ser julgado na primeira instância e pode liberar Scarpa, ou o atleta pode recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) para manter a liminar.

Ontem, o tricolor se pronunciou sobre o assunto. “O Fluminense obteve, nesta quin­ta-feira (ontem), a cassação da liminar em mandado de segurança concedida ao atleta Gustavo Scarpa no TRT do Rio. A decisão reativa o vínculo do jogador com o clube. Com isso, o processo volta ao trâmite normal na 70ª Vara do TRT. O Fluminense reafirma que lutará até o fim pelos seus direitos”, divulgou o clube tricolor.

Na ação movida por Scarpa, o Fluminense informou que a multa rescisória do atleta era de R$ 200 milhões. Esse seria o valor que teria de pagar por deixar o clube caso o Tricolor vencesse a ação.

Paralelamente à batalha judicial, o Fluminense acredita que sai fortalecido com a queda da liminar e vê possibilidade de conseguir bom negócio com o atleta e o Palmeiras.

Os cariocas lembram que Scarpa, neste momento, é do Tricolor. “A decisão reativa o vínculo do atleta com o clube”, diz o Fluminense, em nota.

Para pôr fim à discussão, uma compensação financeira e o empréstimo de jogadores ao Fuminense não estão descartados.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*