Esportes, Outros Esportes

Morre Bebeto de Freitas, líder da ‘geração de prata’

Morre Bebeto de Freitas, líder da ‘geração de prata’
Bebeto comandou revolução no vôlei brasileiro. Foto: Arquivo

O ex-jogador de vôlei, ex-técnico da seleção brasileira e dirigente esportivo Bebeto de Freitas morreu ontem (13), aos 68 anos, em Belo Horizonte (MG).

Bebeto sofreu parada cardíaca pouco depois de participar do evento de lançamento do time de futebol americano do Atlético-MG, no centro de treinamento Cidade do Galo. Bebeto trabalhava no clube mineiro como diretor de administração e controle.

O dirigente passou mal no restaurante do hotel do centro de treinamento. Um helicóptero do Samu pousou no local, mas os médicos não conseguiram reanimar Bebeto, que não chegou a ser levado para um hospital.

O Atlético-MG decretou luto oficial de três dias. “Sempre gostei de gente de bem e honesta ao meu lado. Por isso gostava de estar perto de você. Nós nos encontramos mais tarde, Bebeto”, escreveu Alexandre Kalil, prefeito de Belo Horizonte e ex-presidente do Atlético-MG.

Ex-jogador de vôlei, Bebeto de Freitas foi levantador da seleção brasileira os Jogos Olímpicos de Munique-1972 e Montréal-1976. Após a Olimpíada de Moscou, em 1980, assumiu, aos 30 anos, a função de técnico da equipe brasileira masculina.

À frente da seleção, comandou uma revolução no vôlei brasileiro. Com Bebeto, o país despontou no esporte e a seleção masculina passou a ser protagonista, em especial após o vice-campeonato mundial em 1982.
Dois anos depois, conseguiu feito ainda mais importante no esporte: comandou o time na conquista da medalha de prata nos Jogos de Los Angeles-1984, num time que tinha William, Montanaro, Renan e Bernard.

Sobrinho do jornalista João Saldanha, Bebeto tinha temperamento forte e não foram poucas as vezes em que entrou em confronto com dirigentes importantes.

Não foi somente no vôlei que Bebeto atuou. Também trabalhou como dirigente no futebol. Foi manager no Atlético-MG em 1999, durante a gestão de Nelio Brandt. Entre 2003 e 2008, foi também presidente do Botafogo, seu clube de coração.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*