Serviços, Tecnologia

Especialista dá dicas para se proteger de cibercrimes

Um relatório da Norton Cyber Security Insights mostrou que o Brasil subiu da 4.ª para a 2.ª posição no ranking dos países que mais sofreram crimes cibernéticos no ano de 2017.

O país totalizou mais de 62 milhões de vítimas, cerca de 60% da população que possuí acesso à internet, e os prejuízos causados pela de mais de 71 bilhões de reais, ficando atrás apenas da China.

Segundo André Miceli, coordenador do MBA em Marketing Digital da Fundação Getúlio Vargas, a população brasileira adota práticas que são arriscadas do ponto de vista da segurança digital.

“A gente conversa pouco sobre o assunto. E o fato do brasileiro falar pouco ele acaba adotando algumas práticas que são muito arriscadas. Como por exemplo, compartilha senha, usa a mesma senha em diversos sites, usa Wi-Fi público sem se preocupar com o lugar onde está acessando e isso de alguma maneira aumenta a exposição o que acaba aumentando a prática de crimes também”, disse.

O relatório da Norton Cyber Security Insights já mostrou que o crime mais comum é o chamado phishing. Ao contrário do esperado, a maior parcela das vítimas de crimes cibernéticos, de acordo com Miceli, são os jovens.

“Os jovens aparentemente gostam de usar a internet, mas têm menos medo das consequências da possibilidade de haver problemas.E é justamente nessa faixa etária a gente têm visto o crescimento desses problemas”, afirmou.

O especialista fez algumas recomendações para quem deseja se proteger no ambiente virtual.

“Evitar esse comportamento de risco é muito importante, então não abrir email sem ter certeza que o remetente é conhecido e caso seja um remetente conhecido ter certeza também que aquele endereço existe. Evitar ao máximo usar Wi-Fi público, não compartilhar senha com ninguém são algumas das coisas básicas que podem ser feitas”, completou.

Deixe uma resposta