Uncategorized

PRF prende dois homens com 37 kg de cocaína na Rio-Petrópolis

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) prenderam, na madrugada desta segunda-feira (12), dois homens transportando 37 quilos de cocaína pura na rodovia Rio-Petrópolis (BR-040), em Duque de Caxias, Baixada Fluminense. Durante patrulhamento, os policiais desconfiaram dos ocupantes de um carro, que foi parado em uma blitz. Eles aparentavam nervosismo e os agentes decidiram fazer uma vistoria mais minuciosa no veículo. A droga estava escondida em tabletes em várias partes do veículo. As informações são da Agência Brasil.

Ao serem presos, eles disseram que vinham de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, mas não quiseram dar mais detalhes sobre o local de entrega da droga, e foram autuados na delegacia de Duque de Caxias, por tráfico de entorpecentes.

Em outra ação, agentes da PRF prenderam três homens na rodovia Presidente Dutra, em Queimados, na Baixada Fluminense, com carro roubado e armas no veículo. Os policiais desconfiaram de um Jeep que trafegava em alta velocidade pela rodovia. Ao serem abordados, o motorista se apresentou como policial militar. Quando os agentes ordenaram que os cinco ocupantes do veículo também descessem do carro, um deles saiu correndo em direção ao matagal e começou a atirar contra os agentes. O homem conseguiu escapar, mas deixou um revólver no mato.

Em uma revista no carro, foram encontradas duas pistolas, escondidas no porta-malas, além de vários alicates, toucas, luvas, R$ 300 mil em dinheiro e R$ 12 mil em cheques. O motorista que se apresentou como PM tinha mentido. Ele fora expulso da corporação já fazia algum tempo. O dinheiro e os cheques teriam sido roubados de um supermercado em Resende, no centro-sul fluminense, na noite anterior. Os suspeitos ainda tentaram subornar os agentes da PRF oferecendo toda a quantia em troca da liberdade do grupo.

Receberam voz de prisão e foram autuados por corrupção ativa, porte ilegal de armas e receptação. O ex-PM ainda foi indiciado por usurpação da função pública, por ter afirmado que era militar.

Deixe uma resposta