Economia, Notícias

Defesa da Convenção Coletiva une químicos da CUT e Força Sindical

Categoria é composta de 380 mil químicos no Estado. Foto: Divulgação/SQABCLideranças dos sindicatos e de federações que representam os trabalhadores do setor químico no Estado de São Paulo vão iniciar na próxima sexta-feira (20), a partir das 9h, as negociações sobre a pauta de reivindicações da Campanha Salarial deste ano com o setor patronal.

A primeira rodada ocorre na sede do Sindicato dos Químicos de São Paulo, na Capital.

Estarão na mesa de negociação representantes dos sindicatos, da Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico do Estado de São Paulo (Fetquim), ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT); e da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo (Fequimfar), ligada à Força Sindical. É a primeira vez que as federações das duas centrais se unem nas negociações da categoria.

A bancada patronal será re­presentada pelo Ceag-10, da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Entre os itens da pauta de reivindicações figuram au­mento real de salário e a manutenção da atual Con­ven­ção Coletiva de Trabalho.

Segundo Airton Cano, co­ordenador político da Fetquim, o objetivo da união das duas federações é juntar forças para defender os direitos dos trabalhadores. “Nossa Convenção Coletiva foi construída com muita luta. Pessoas deram suas vidas para que as novas gerações usufruíssem de variados benefícios. Por isso, não vamos permitir que seja destruída”, afirmou.

Na primeira rodada serão negociadas as cláusulas sociais. Uma nova reunião, ainda sem data, vai abordar as cláusulas econômicas, como reajuste e Participação nos Lu­cros e Resultados (PLR).

As duas entidades representam 380 mil trabalhadores no Estado, das quais 300 mil estão em campanha. A data-base é 1º de novembro.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*