Destaque, Mulher, Serviços

Depilação que fere

Por Karina Matias

Já imaginou perder um dia importante no trabalho por causa de uma depilação que deu errado? Foi o que aconteceu com o jogador de futebol Marco Asensio, do time espanhol Real Madrid. Ele deixou de ser escalado para uma partida, no último dia 13, porque contraiu uma infecção de pele após tirar os pelos da perna. Embora a equipe não tenha divulgado detalhes, acredita-se que, pela gravidade da situação, Asensio teve um abscesso -inflamação mais séria provocada por bactérias e que forma uma bola de pus no local.

Os médicos alertam que, se não for tratado, o problema pode ficar ainda
mais grave, atingir músculos e ossos e
levar até à morte. “Se apessoa perceber
que cresceu na pele uma bolinha quente e dolorida, deve procurar um médico, porque pode ser um abscesso. E se tiver febre, significa que ele já pode ter caído
na circulação do sangue”, orienta o dermatologista Caio Lamunier.

Em geral, o tratamento indicado é uma pequena intervenção cirúrgica para retirar o pus, além de antibiótico.

Existem várias causas para o abscesso. A depilação é uma delas porque provoca micro lesões na pele, oque abre portas a qualquer tipo de infecção. Mas ele pode surgir a partir do agravamento de uma foliculite, que são bolinhas vermelhas na pele (veja o quadro ao lado).

A engenheira Juliana Augusto, 25 anos, não chegou a ter um abscesso, mas enfrentou por diversas vezes desconfortos consequentes de foliculite e pelo encravado após a depilação. “Eu ficava muito incomodada”, revela.

Para tentar solucionar o problema, ela aderiu à depilação a laser. “Agora os pelos não encravam mais.”

O método é mesmo o mais indicado por dermatologistas, já que,embora não elimine todos os pelos, ainda assim faz com que a quantidade deles diminua. Além disso, reduza frequência de depilação na área-o que minimiza os traumas na pele. Mas é um procedimento mais caro (a partir de R$100 a
sessão por região) e tem riscos, como queimaduras ou manchas no local.

Cuidados

Segundo o dermatologista Daniel Dziabas, pessoas morenas, negras ou mestiças têm maior tendência a apresentar foliculite e, consequentemente, a desenvolver o abscesso, em razão dos pelos recurvados.

O médico Claudio Wulkan destaca também que regiões de dobra, como virilha e axila, são as mais propensas a essas inflamações, pois são locais mais quentes e úmidos e que, portanto, favorecem a proliferação de bactérias.

Para evitar infecções, os especialistas recomendam esfoliações semanais na pele e a prévia higienização da área a ser depilada. Também não devem ser usadas ceras reutilizadas nem lâminas cegas.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*