Editorias, Notícias, Política

Nome conservador alternativo e Marina disputam terceira via

A equação para 2018 tem alguns candidatos a terceira via. No campo à direita, o vácuo de lideranças viáveis deu espaço ao crescimento do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que vem cravando por volta de 10% em intenções de voto.

Há, contudo, uma certa unanimidade em apontá-lo como sintoma temporário, fadado a seus limites.
“Não me surpreende o desempenho do Bolsonaro. Desde 2013, há um crescimento da simpatia à direita no eleitorado”, afirma o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino.

Naquele ano, uma pesquisa já apontava que 48% do eleitorado tinha simpatias conservadoras. “Foi uma decorrência da decepção com os governos do PT, e prevejo uma votação inédita nesse campo”, diz.

Hoje, Bolsonaro se sobressai, mas nomes menos heterodoxos podem ocupar esse espaço.

“O campo mais tradicional precisa unificar sua candidatura até o fim do ano”, afirma Luiz Felipe D´Avila.

E há Marina Silva (Rede). A ex-senadora e ex-ministra ficou muito abalada com os ataques sofridos na campanha de 2014, e sua inapetência para o embate desencoraja simpatizantes. “Ela precisa se decidir se quer liderar um movimento ou ser presidente. Ela poderia ser um símbolo, como Nelson Mandela, desde que tivesse uma equipe e articulação política”, diz Giannetti.

Outro problema é a falta de capilaridade da Rede, quase um não-partido. A associação ao PSB, pelo qual Marina foi candidata, parece ser a saída, restando saber se o partido que ocupa a vice de Alckmin em São Paulo não tem outros planos.

Há também a hipótese Joaquim Barbosa na sua chapa. O ex-presidente do Supremo, algoz do PT no julgamento do mensalão, seria um ativo e tanto em tempos de Lava Jato, assim como a atual ocupante da chefia Judiciário, Cármen Lúcia.

Barbosa já foi procurado por emissários de Marina, assim como por tucanos e pelo PSB, mas mantém-se fechado em copas.

IGOR GIELOW

 

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*