Política-ABC, São Bernardo do Campo, Sua região

Vereador de São Bernardo protocola CPI do lixo

Oliveira: “temos de verificar se a cidade está tendo prejuízos”. Foto: Arquivo pessoalO vereador de São Bernardo Ary de Oliveira (PSDB) protocolou na última quarta-feira (1º) requerimento que pede a abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o contrato firmado entre a prefeitura e a SBC Valorização de Resíduos, empresa criada a partir de Parceria Público-Privada (PPP) para coleta e tratamento de lixo, incluindo a implementação de uma usina de reciclagem, que seria construída no bairro Alvarenga, divisa com Diadema.

Oliveira reuniu 19 assinaturas e espera que a investigação tenha início o mais rápido possível. “O que sabemos é que a Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) não autorizou a construção da usina. Rejeitou o terreno indicado e, depois disso, a prefeitura não indicou um novo local. Precisamos averiguar se estão sendo feitos os pagamentos que estavam previstos no contrato para a construção da usina, se a cidade está tendo prejuízos, que vantagem o município está tendo”, explicou o parlamentar.

O vereador ressaltou que a coleta de lixo vem ocorrendo na cidade, mas é preciso conferir as outras obrigações do contrato. De acordo com o projeto apresentado em 2009 pela gestão do ex-prefeito Luiz Marinho (PT), o Sistema de Processamento e Reaproveitamento de Resíduos e Unidade de Recuperação de Energia (SPAR-URE) seria construído em área de 90 mil m², no bairro Alvarenga, onde funcionou por diversos anos um aterro clandestino. O empreendimento foi orçado, à época, entre R$ 450 milhões e R$ 600 milhões. A previsão inicial era que a usina ficasse pronta em 2015 e que a queima de lixo gerasse energia.

O presidente da Câmara, Pery Cartola (PSDB), garantiu que dará celeridade à tramitação da CPI na Casa. “O requerimento vai ser votado na próxima sessão (quarta-feira, dia 8) e, sendo aprovado, já vamos partir para a votação dos membros, presidência, relatoria. Será tratada com a máxima urgência e não como um documento qualquer, como ocorria na gestão passada”, afirmou.

O vereador José Luiz Ferrarezi, líder do PT, foi questionado sobre o protocolamento da CPI e que postura o partido iria adotar, mas respondeu que havia sido informado sobre o requerimento há pouco tempo e que, no momento, está focado nas questões relativas ao falecimento da ex-primeira-dama Marisa Letícia, que teve a morte cerebral anunciado na tarde de ontem (2). “Não é o momento de falar disso”, declarou. O também petista Tião Mateus foi procurado, mas não quis comentar. A reportagem não conseguiu contato com a Cetesb para confirmar a situação da licença ambiental do empreendimento.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*