Brasil, Editorias, Notícias

Mais de 200 candidatos foram presos no domingo

O último balanço divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aponta que 236 candidatos foram presos ao longo deste domingo de eleição. Foram 383 ocorrências registradas com políticos que estavam na disputa.

O tribunal, no entanto, não divulga os nomes dos detidos. Os locais que tiveram mais prisões foram Minas Gerais (59), Santa Catarina (23) Paraná (21), Goiás e Mato Grosso do Sul (18), Mato Grosso (17), São Paulo (15) e Rio de Janeiro (14). Já no caso de não candidatos, foram 3.431 ocorrências e 1.726 pessoas presas.

Minas Gerais também teve o maior número desses episódios, com 392 detidos, seguido por São Paulo, com 249, Rio de Janeiro, com 166, Goiás, com 139, Santa Catarina, com 120, e Rio Grande do Norte, com 102.

Somando casos de candidatos e não candidatos, foram 3.814 registros, a grande maioria por boca de urna.

Ao longo do dia, 4.424 (1,01%) de urnas tiveram que ser substituídas, número considerado baixo para o TSE. Apenas duas seções tiveram votação manual, uma na Bahia e outra em São Paulo. No total, 144.088.912 pessoas votaram, segundo balanço.

Maranhão

Uma das regiões de maior preocupação, o Maranhão não registrou casos graves nos locais em que as tropas federais estavam trabalhando, de acordo com o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Ainda de acordo com o TSE, apenas sete pessoas foram presas no Maranhão, dois candidatos entre elas.

TSE registra 25 milhões de eleitores que não votaram

A Justiça Eleitoral registrou no primeiro turno das eleições municipais de 2016, ontem (2), abstenção de aproximadamente 17,58% do eleitorado. O número corresponde a 25.073.027 eleitores, de um total de 144 milhões aptos a votar.

Na avaliação do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, o índice de abstenção registrado no pleito deste ano é baixo em relação às eleições presidenciais de 2014, quando a ausência foi de cerca de 20% dos eleitores. Nas eleições municipais de 2012, 16,41% do eleitorado não votou.

Em São Paulo, por exemplo, foram registrados 5,29% (367.471) de votos em branco e 11,35% de votos nulos (788.379). No Rio de Janeiro, foram contabilizados 5,50% (367.471) de votos em branco e de 12,76% votos nulos (473.324). As duas cidades têm os dois maiores colégios eleitorais do país.

Brancos e nulos

Em nove capitais, o número de votos brancos, nulos e de eleitores que não compareceram foi maior do que do candidato que ficou em primeiro lugar. A situação aconteceu nos dois maiores colégios eleitorais do país. Em São Paulo, João Dória (PSDB) ganhou a eleição no 1º turno com 3.085.187 votos. O número é menor do que a soma de votos brancos e nulos e ausências: 3.096.304.

No Rio de Janeiro, a situação também se repetiu. Mesmo que fossem somados os votos dos dois candidatos que passaram para o 2º turno, o número ainda é menor do que votos inválidos e ausências. Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Belém (PA), Cuiabá (MT), Campo Grande (MS) e Aracaju (SE) também tiveram mais votos inválidos do que o primeiro colocado.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*