Geraldo Alckmin relativiza 'novo' e afirma que experiência importa | Diário Regional

Geraldo Alckmin relativiza ‘novo’ e afirma que experiência importa

12/08/2017 3:18
Print Friendly

Alckmin esteve em Porto Alegre a convite da revista “Voto”. Foto: Sofia Wolff/Divulgação/Gov.SPO governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), questionou nesta sexta-feira (11), em Porto Alegre, o que seria o “novo” na eleição, em referência a candidatos que se dizem descolados da política tradicional, e defendeu a importância da experiência para a disputa de 2018.

“O que é o novo? O novo é em relação à idade? Ter 30, 50, 70 (anos)? É não ter sido candidato, já ter sido candidato? Eu acho que o novo é defender o interesse coletivo. O Brasil foi dominado pelas corporações, no setor público e no privado também”, disse o governador paulista, de 64 anos, durante palestra na capital gaúcha, para políticos e empresários locais.

“Avalio que a eleição de 2018 vai ser a eleição da experiência. Experiência inclusive do povo brasileiro, com o sofrimento ocasionado pelos 13 milhões de desempregados, fruto de um populismo destrutivo e de inexperiência arrogante”, afirmou o tucano na saída do evento, em entrevista a jornalistas.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), é um dos principais representantes do “novo” na política. Doria, eleito com apoio de Alckmin em 2016, disse durante a campanha municipal que era um “gestor”, não um político. Os dois despontam hoje como os principais nomes do PSDB na disputa pela candidatura à Presidência.

Apesar de dizer diversas vezes que não trairia o padrinho político, Doria se movimenta com vistas a uma candidatura nacional, além de se deixar ser cortejado por outros partidos, como o PDMB e o DEM.

Na quinta (10), em São Paulo, o prefeito afirmou que vem sendo sondado para a eleição de 2018 e se disse “muito feliz” por ver que “as portas foram abertas” pelos partidos aliados. Negou, contudo, que pense em deixar o PSDB, ao qual se filiou em 2001, e voltou a falar em “amizade indivisível” com Alckmin.

A última pesquisa da Datafolha (26 de junho), mostra o governador paulista com 8% das intenções de voto, em um cenário que inclui o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT). Em outra simulação, Doria aparece com 10%.

Perguntado sobre a importância desses números na escolha do candidato de seu partido, Alckmin afirmou que a pesquisa retrata o que ocorreu na última eleição, e que a campanha de 2018 só começa “quando muda o horário da novela”, em uma referência ao início da propaganda eleitoral.

Reformas

O governador tucano reiterou ainda o apoio à reforma da Previdência, mas defendeu um regime único para os trabalhadores do setor público e da iniciativa privada: “Um regime só de Previdência, onde o teto seja o teto do INSS, e acima disso seja previdência complementar”.

Em relação à reforma política, Alckmin disse que é preciso reduzir os custos com os programas de televisão, que na sua opinião deveriam contar apenas com gravações em estúdio: “Cena de estúdio, menos ‘marquetagem’, campanha mais verdadeira. Hoje você disputa com o marqueteiro do adversário.”

O governador de São Paulo esteve em Porto Alegre a convite da revista “Voto” para participar do evento Brasil de Ideias. Alckmin falou para um público de 130 convidados.

Palavras-chave:


Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: