Esportes, Futebol

Levir acerta salário com o Santos; falta tempo de contrato

Culpi está sem clube desde novembro, quando deixou o Fluminense. Foto: Divulgação/FluminenseO Santos está muito próximo de anunciar a contratação do experiente técnico Levir Culpi, 64 anos, para substituir Dorival Júnior, demitido do cargo no domingo (3). O treinador está desempregado desde novembro, quando deixou o Fluminense, mas é tratado como opção quase única dentro do clube.

Uma reunião, em São Paulo, encabeçada pelo superintendente Dagoberto dos Santos, aproximou as parte de uma definição. Santos e Levir já acertaram as bases salariais, mas ainda divergem sobre o tempo de contrato.

A proposta do presidente Modesto Roma Júnior é pela assinatura de vínculo de seis meses motivado pelas eleições presidenciais do clube, que ocorrem em dezembro. O treinador, por sua vez, gostaria de um acordo até o fim de 2018.

A rejeição por um contrato maior é surpreendente, já que, em junho de 2015, Modesto aceitou o pedido de Dorival por um vínculo longo, até dezembro deste ano. Além disso, chegou a defender publicamente o antigo treinador, principalmente após a eliminação precoce no Campeonato Paulista – nas quartas de final, para a Ponte Preta.

Sob o comando de Dorival, o time apresentou instabilidade e o técnico sofria desde o início do ano. Perdeu os quatro clássicos que disputou em 2017 e só conseguiu se classificar no Estadual nas rodadas finais da primeira fase. Além disso, a série de mudanças sem sucesso na equipe e as improvisações minaram sua credibilidade com a diretoria.

A provável chegada de Levir Culpi pode gerar novos rumos dentro da Vila Belmiro.

Em seus recentes trabalhos no futebol brasileiro, o técnico bateu de frente com atletas renomados como Ronaldinho Gaúcho, no Atlético-MG, e Fred, no Fluminense.

O Santos conta com o volante Renato e, principalmente, com o atacante Ricardo Oliveira como principais nomes. A liderança religiosa de Oliveira, pastor evangélico que realiza cultos com outros atletas, já foi questionada pela torcida.

Os dirigentes trabalham com um plano B, que é Marcelo Oliveira, demitido pelo Atlético-MG também no mesmo período, após a derrota na primeira final da Copa do Brasil. O nome do treinador, porém, encontra resistência.

Mudanças

O primeiro trabalho do Santos sem a presença de Dorival foi marcado por mudanças na equipe e pelo retorno de desafetos do antigo treinador.

A principal mudança feita pelo auxiliar técnico Elano, que ocupa interinamente o cargo, foi a opção pelo meia Vecchio, que herda a vaga do colombiano Hernán­dez, escolhido por Dorival para substituir Lucas Lima, lesionado.

Vecchio havia sido afastado pelo antigo treinador e só voltou ao elenco principal há cerca de um mês. Além de Vecchio, o auxiliar técnico Marcelo Fernandes – também afastado por Dorival – retornou ao time.

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*