Morando quer projeto de construtoras para finalizar obras do piscinão do Paço | Diário Regional

Morando quer projeto de construtoras para finalizar obras do piscinão do Paço

14/03/2017 6:59
Print Friendly, PDF & Email

Morando se reuniu com representantes do Ministério das Cidades, da Caixa e do Consórcio Centro Seco. Foto: Gabriel Inamine/PMSBCA Prefeitura de São Bernardo deu prazo de dez dias ao Consórcio Centro Seco (formado pela OAS e Serveng Civilsan), responsável pela execução dos serviços do piscinão do Paço e demais ações do Projeto Drenar, a fim de que apresente proposta para finalizar a obra com os recursos disponíveis por parte da administração municipal e do governo federal, sem a liberação de novos aditivos. As intervenções integram o Programa de Aceleração ao Crescimento (PAC).

Em reunião, ontem (13), o prefeito Orlando Morando (PSDB) salientou, a exemplo do Ministério das Cidades, que não vai autorizar novo pedido de aditivo no contrato das obras, como foi proposto pela gestão anterior. Orçado em R$ 294 milhões, o projeto já chegou a R$ 319 milhões, sendo que, da maneira que o contrato foi conduzido, exige que a prefeitura desembolse mais R$ 111 milhões e o governo federal mais R$ 35 milhões. O encontro de ontem contou com a participação de integrantes do ministério, da Caixa Econômica Federal, responsáveis das empresas do Consórcio Centro Seco, e do vice-prefeito e secretário de Serviços Urbanos, Marcelo Lima.

Na apresentação feita pela administração municipal sobre o andamento do projeto, foi especificado que a gestão anterior pagou R$ 20 milhões em recursos do tesouro municipal, sem que se tivesse contrato para o desembolso. Segundo a prefeitura, “a quantia teria sido adiantada por parte do ex-prefeito Luiz Marinho (PT) imaginando que o governo federal fosse autorizar um novo aditivo no contrato. O que não se confirmou pelo ministro de Cidades, Bruno Araújo”.

Durante a reunião de ontem, Morando destacou que espera por programação por parte do Consórcio Centro Seco com os recursos que estão em contrato, sem novos aditivos, e que não aceitará mais desembolso para finalização da obra.

Apesar dos investimentos que já foram feitos, o projeto do piscinão do Paço, de acordo com os técnicos dos serviços, tem perto de 40% das obras ainda a realizar.

O projeto

O projeto original foi orçado em R$ 294 milhões. Em setembro de 2016, foi autorizado novo aditivo, o que fez o custo das obras saltar para R$ 319 milhões, já autorizados e pactuados para serem efetuados. Contudo, o Consórcio Centro Seco reivindicou novo aditivo, que elevaria montante final da obra para R$ 353 milhões, pedido rejeitado pelo Ministério das Cidades e pela atual gestão de São Bernardo. Até o momento, a obra do Piscinão do Paço recebeu aproximadamente R$ 185 milhões em recursos.

“Este projeto não precisaria ser deste tamanho. Na minha avaliação está claro que houve erros, dentre os quais físico e financeiro no cronograma da execução dos serviços. Vejo que não foi feito acompanhamento devido da obra por parte da gestão anterior”, destacou Morando.

A prefeitura informou que aguarda proposta por parte do Consórcio Centro de metas a realizar, com os recursos disponíveis dentro do contrato – adicionado o aditivo de setembro –, para poder encaminhar a Caixa e, consequentemente ao Ministério das Cidades, e assim estipular quanto de fato foi investido e o prazo para a conclusão do projeto.

Palavras-chave:


Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: