Grupo reivindica sequestro na Nigéria e ameaça vender meninas | Diário Regional

Grupo reivindica sequestro na Nigéria e ameaça vender meninas

06/05/2014 10:23
Print Friendly

ABUJA – O grupo islamita Boko Haram reivindicou ontem (5) o sequestro de 276 meninas de Chibok, no norte da Nigéria, em 14 de abril. Em vídeo, o movimento prometeu tratá-las como escravas, vendê-las em países vizinhos e forçá-las a casar.

A mensagem foi lida por um homem que se identificou como Abubakar Shekau, líder do grupo radical. “Eu capturei suas meninas. Nós vamos vendê-las no mercado, por Alá. Alá diz que eu devo vendê-las. Ele me ordenou que as venda. Vou vender mulheres. Eu vendo mulheres.”

O suposto líder aparece usando uniforme militar e de pé diante de veículo blindado e de duas camionetes com metralhadoras. “Disse que a educação ocidental deve parar. Vocês, meninas, devem deixar a escola e se casar” acrescentou Shekau, que indicou manter as “pessoas como escravas”.

O Boko Haram (educação ocidental é pecado, em dialeto haussa) prega o fim da educação para mulheres e quer fundar um Estado islâmico no norte nigeriano. O grupo faz uso de uma interpretação controversa e marginal do Alcorão, rejeitada pela maioria dos muçulmanos.

Desde que começou a atuar, em 2009, já deixou mais de 3 mil mortos em ataques contra escolas, igrejas, mesquitas e símbolos do Estado nigeriano.

A ameaça é feita dias após a imprensa nigeriana afirmar que algumas das estudantes sequestradas teriam sido vendidas como esposas em mercados na fronteira com Chade e Camarões a US$ 12 (R$ 27). Das 276 capturadas, apenas 43 conseguiram fugir do cativeiro e voltar para suas casas.

As meninas sequestradas têm entre 16 e 18 anos. Segundo testemunhas ouvidas pelo jornal britânico “Guardian”, a ação pode ter tido a ajuda de infiltrados do Boko Haram no Exército, permitindo brecha na segurança, e poderia se repetir mais vezes.



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: