Santo André e São Caetano seguem na A2 | Diário Regional

Santo André e São Caetano seguem na A2

13/04/2014 0:30
Print Friendly

Nunes comemora o décimo gol dele na Série A2 paulista. Foto: Fabrício Cortinove/EC Santo AndréO Santo André fez sua parte e derrotou o São Caetano por 3 a 1 ontem (12), no “clássico” disputado no Estádio Anacleto Campanella. Porém, a combinação de resultados necessária para a volta à elite era das mais improváveis. O Ramalhão precisava de tropeços de dois de seus três adversários, mas São Bento, Marília e Mirassol venceram seus jogos e, por isso, a equipe do ABC terá de disputar a Série A2 paulista em 2015.

O Azulão, por sua vez, foi beneficiado por derrotas dos times que estavam no Z4 e evitou o terceiro rebaixamento consecutivo mesmo com o revés no dérbi regional. Vai reencontrar o Santo André no próximo ano e pode ter a companhia do Água Santa, que vai disputar os quadrangulares decisivos da Série A3.

Restou ao Santo André a frustração de ter vencido, mas não levado. Com o triunfo na 19ª e última rodada, a equipe do técnico Vilson Tadei terminou a Série A2 do Campeonato Paulista na sexta posição, com 35 pontos e aproveitamento de 61,4%. O quarto lugar Marília, último a subir, fez um ponto a mais.

O Ramalhão se despede do futebol profissional até o segundo semestre, quando disputará a Copa Paulista. Até lá, o caro grupo formado para devolver o clube à elite estadual deve sofrer “desmanche”, com a saída de seus principais jogadores. Uma nova equipe, mais barata, será montada para o restante da temporada.
O São Caetano, por sua vez, terminou a Série A2 com 19 pontos e na 16ª posição, uma acima da zona do rebaixamento. Com 17, Barueri, Itapirense e Osasco juntaram-se ao São José (oito) e caíram para a A3, mas um deles que vencesse se salvaria na última rodada. Para a sorte do Azulão, todos perderam.

A equipe do técnico Márcio Griggio terá duas semanas de preparação antes da estreia na Série C do Campeonato Brasi­leiro, marcada para o pró­­ximo dia 27, às 16h, contra o Guarani no Estádio Anacleto Campanella.

O jogo
O Santo André foi superior ao São Caetano desde o início do jogo, mas teve dificuldade para criar oportunidades. Antes do primeiro gol, o único lance de perigo contra a meta de Rafael Santos ocorreu aos oito minutos, quando Ramalho arriscou de fora da área e a bola tirou tinta da trave do goleiro.
O gol surgiu aos 38 minutos. Cacá lançou o lateral Angelo, que foi à linha de fundo e cruzou na cabeça de Nunes. O artilheiro da equipe com dez gols só teve o trabalho de escorar para o gol: 1 a 0.

Pressionado pelo placar adverso e pelo risco do rebaixamento, o São Caetano voltou para o segundo tempo disposto a agredir o Santo André, mas ficou exposto aos contra-ataques e foi assim que os visitantes chegaram ao segundo gol. Aos 25 minutos, o lateral Renato Peixe foi até o fundo e cruzou para Müller Fernandes, que enganou Rafael Santos com um “chute no vácuo” antes de tocar para as redes.

Com o Azulão nocauteado, o terceiro gol era questão de tempo. Aos 35, Renato Peixe foi lançado, invadiu a área pelo lado esquerdo e tocou na saída do goleiro: 3 a 0. Mesmo com a “porteira arrombada”, os mandantes ainda encontraram forças para diminuir aos 38, com Cassio, mas já era tarde. O Ramalhão venceu o dérbi, mas no final São Caetano e Santo André “morreram” abraçados na Série A2.

Palavras-chave:


Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: