Doença de Parkinson não tem cura, mas terapias combatem os sintomas | Diário Regional

Doença de Parkinson não tem cura, mas terapias combatem os sintomas

11/04/2014 13:40
Print Friendly

Apesar de não haver cura para a doença de Parkinson, existem tratamentos que visam a combater os sintomas da enfermidade. Medicamentos e cirurgias fazem parte do arsenal terapêutico, assim como sessões de fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia e, em alguns casos, de psicologia. “As propostas terapêuticas buscam minimizar os sintomas clínicos decorrentes do déficit de dopamina no sistema nervoso central”, explicou a professora de Neurologia e coordenadora do Ambulatório de Distúrbios de Movimento da Faculdade de Medicina do ABC, Margarete de Jesus Carvalho.

“Além das drogas, adotamos acompanhamento multidisciplinar e, quando necessário, procedimento cirúrgico. Vale ressaltar que as medicações são fornecidas gratuitamente pela rede pública de saúde e que o tratamento cirúrgico é paliativo, realizado somente em alguns casos, sempre com objetivo de amenizar os sintomas”, explicou a médica.

Marca-passo cerebral
O tratamento cirúrgico para doença de Parkinson é indicado para grupo específico de pacientes, criteriosamente selecionados após avaliação neurológica e neuropsicológica. “O procedimento não está indicado a todos os pacientes. O intuito é amenizar os sintomas a partir da colocação de um marca-passo cerebral, o DBS (Deep Brain Stimulation), que modula as áreas responsáveis pelos movimentos”, afirmou Margarete.

Com diagnóstico de doença de Parkinson há cerca de seis anos, Antonio Trivellato está entre os beneficiados pela cirurgia. O paciente passou pelo procedimento em setembro de 2013 no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). “Já não conseguia mais andar, pois perdi a condição de articular os passos. Não fazia mais nada”, recordou Trivellato, que voltou a andar ainda no hospital, durante o pós-operatório: “Meu filho tomou um susto quando levantei de repente e fui até o banheiro. Eu pulava igual criança de tanta alegria”, completou.

Palavras-chave:


Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: