Peguei o time praticamente do zero, afirma Juninho Paulista | Diário Regional

Peguei o time praticamente do zero, afirma Juninho Paulista

06/04/2014 6:03
Print Friendly

ITU – Rápido, driblador e de bom relacionamento com jogadores e dirigentes. Aposentado do futebol desde o primeiro semestre de 2010, Juninho Paulista, 41 anos, teve de usar suas características dentro das quatro linhas para reestruturar o Ituano.

Juninho assumiu como gestor em 2009 após convite do presidente do clube, Major Vieira. Eles se conheciam desde 1993, quando o ex-meia foi revelado nas categorias de base da equipe. O ex-jogador da Seleção Brasileira encontrou um time sem bola, sem crédito na praça, sem fornecedor de material esportivo e sem ônibus para viajar.

“Foi uma oportunidade que casou. Queria continuar no futebol, usar o que aprendi na minha carreira e ter autonomia. Eu me sentia preparado pela experiência, mas tive que aprender a administrar na prática”, afirmou Juninho, que assinou contrato por cinco anos e agora renovou por mais cinco temporadas – até junho de 2019.

“Esperava que as coisas fossem mais fáceis. Peguei o clube praticamente do zero. Tive de chegar e montar uma equipe a jato para a disputa da Copa Paulista e da Série D do Brasileiro alguns meses depois”, disse o agora dirigente, lembrando que o clube foi eliminado na primeira fase do Nacional e parou na segunda fase do outro torneio.

Logo após as eliminações, o ex-meia da Seleção Brasileira começou a planejar a montagem do elenco para o Campeonato Paulista do ano seguinte. No entanto, teve de contratar praticamente um time inteiro já que o clube de Itu não tinha divisões de base.

Como não tinha feito uma despedida dos gramados e para chamar a atenção do empresariado, Juninho resolveu disputar a competição antes de encerrar a carreira. Trouxe o seu amigo Roque Júnior, pentacampeão mundial, para ajudar reforçar o elenco. Depois de um bom começo, o Ituano desandou na parte final do campeonato e, inclusive, foi goleado pelo Santos por 9 a 1. A equipe só escapou do rebaixamento na última rodada após vencer a Portuguesa, de virada, fora de casa.

“Quando você está em campo, você sofre menos. Fora dele é muito ruim. Foi pura emoção. Era minha última partida. Tinha assumido uma instituição e corríamos o risco de cair”, lembrou. Com mais tempo para trabalhar, Juninho passou a investir nas categorias de base e profissionalizou todos os setores. Depois de penar contra a Série A2, o agora dirigente viu sua equipe fazer a melhor campanha desde que assumiu.

“Tudo começou com a base que formamos em 2011 e a manutenção de boa parte do grupo que disputou a Copa Paulista do ano passado. Com essa estrutura sólida dos garotos, fizemos contratações pontuais de jogadores experientes e tivemos condições e tempo para trabalhar”, disse. Apesar de elogiar o adversário, Juninho confia em mais uma surpresa do Ituano, que deixou para trás o Palmeiras na semifinal e o Corinthians na primeira fase.



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: