CPI da Craisa ouve dois ex-superintendentes | Diário Regional

CPI da Craisa ouve dois ex-superintendentes

29/03/2014 15:00
Print Friendly, PDF & Email

Montorinho: “ainda não entendemos como foi feito esse acordo” - Foto: ArquivoApesar de ter conseguido autorização para se negar a responder as perguntas que julgasse impertinentes, o ex-superintendente da Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André (Craisa) Reinaldo Abud colaborou com os vereadores durante ses­são da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga 20 anos das contas da autarquia.

Assim como o também ex-superintendente Laerte Satolo, Abud alegou que o acordo feito em 1991 com a Coop continha cláusula de aditamento sem a necessidade de licitação. “O contrato de 20 anos foi prorrogado por mais 20.

A diferença é que os primeiros anos foram executados de forma gratuita e os outros de maneira onerosa”, afirmou Abud. A cooperativa conseguiu autorização de explorar o espaço na Vila Luzita no começo dos anos de 1990 por duas décadas e, em 2011, o termo foi prorrogado por R$ 8,25 milhões.

Os vereadores, no entanto, questionaram se o valor já pago pela Coop para a outorga não estava abaixo do mercado. “Pelas nossas contas, a Craisa deveria recolher mais de R$ 13,45 milhões pelo período de prorrogação. Ainda não entendemos como foi feito esse acordo para receber os R$ 8,25 milhões”, disse o presidente da CPI, José Montoro Filho, o Montorinho (PT).

Festa junina

Abud e Satolo concordaram que a prestação de contas referente à festa junina de 2012 deveria ter sido feita pela Secretaria de Gabinete, responsável pela licitação do espaço da autarquia à festividade. “A Craisa, na realidade, só cedeu o espaço”, destacou Satolo durante depoimento. Naquele mesmo ano, o parque de diversões foi licitado separado das barracas de alimentos e a concorrência para o equipamento teria sido realizada pela própria Craisa. Satolo comentou que a estratégia foi adotada porque era usual o atraso do funcionamento dos brinquedos por questões burocráticas, como autorização do Corpo de Bombeiros.

A empresa vencedora da licitação teria pago R$ 40 mil para poder operar durante o mês de festa. O dinheiro, não entanto, não consta no erário da Ceasa do ABC, conforme disse o atual superintendente, Hélio Tomaz Rocha (PT). Satolo não se recordou qual empresa venceu a licitação, mas negou que seja ligada ao ex-secretário de Gabinete Nilson Bonome (PMDB). “Não suporto o Bonome”, disse à reportagem do Diário Regional.

Relator da Comissão, Ailton Lima (SDD) não compareceu ao encontro. A assessoria disse que o parlamentar teve problemas de saúde. A vereadora Elian Santana (Pros) assumiu a função de forma interina.

Próxima sessão

Os vereadores devem convocar outros dois ex-gestores do governo Aidan Ravin (PSB, 2009-2012) para prestar esclarecimentos na próxima sexta-feira (4). O ex-diretor de licitações do Paço Alair Magni será intimado juntamente com o ex-secretário de Cultura Roberto Panini. Magni trabalha na presidência da Câmara, comandada pelo vereador Donizeti Pereira (PV) desde o início de 2013.



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: