Gestão da saúde em Diadema é alvo de críticas do sindicato | Diário Regional

Gestão da saúde em Diadema é alvo de críticas do sindicato

14/03/2014 10:32
Print Friendly

Para Jandira, autoritarismo causa desgaste entre servidores - Foto: ArquivoAo entregar a nova pauta de reivindicações da categoria à Câmara de Diadema na sessão de ontem (13), a presidente do Sindicato dos Funcionários Públicos da cidade (Sindema), Jandyra Uehara, apontou a gestão da Saúde como a mais preocupante da atual administração. “Uma questão gravíssima são as condições e relações de trabalho na saúde. Existe autoritarismo, perseguição e ilegalidades. Não é à toa que estamos perdendo trabalhadores e não foram só médicos”, disse Jandira, lembrando a saída de 87 médicos da rede municipal desde o ano passado.

A dirigente sindical disse que, além da pressão e da falta de condições, existe uma “crise de autoritarismo” que inviabiliza a saúde de Diadema – crítica velada ao secretário José Augusto da Silva Ramos (PSDB). Jandyra deu como exemplo a recente norma estipulada na Unidade Básica de Saúde (UBS) Paineiras pela direção do local, que proíbe os médicos de emitirem atestados aos funcionários que passarem por atendimento. “Tem dois problemas gravíssimos aí: o primeiro é colocar em cheque a idoneidade do médico; o segundo é que o médico não poder dizer se um paciente está em condições de trabalho é uma aberração. É um problema geral. Começa pelo secretário e passa pela forma de gerenciamento totalmente arbitrária”, comentou a dirigente, que definiu esse tipo de atitude como “assédio moral”.

Segundo Jandira Uehara, além de médicos, outros profissionais da Saúde também saíram da rede municipal motivados pelas condições de trabalho, já que o modo de gestão causa desgaste entre os funcionários. Segundo dados do Sindema, em 2013 a prefeitura perdeu 470 funcionários, destes 345 por exoneração e 125 por aposentadoria. Por outro lado, houve 374 contratações. “Vínhamos acumulando déficit grande. O fato de contratar não quer dizer que tenha sido na área que precisa”, disse.

Jandyra disse que, neste ano, o plano de carreira é uma das prioridades da campanha salarial, pois seria promessa do prefeito Lauro Michels (PV) e constaria de seu plano de governo. “Passaram-se 15 meses e até hoje não sentamos para discutir que plano será esse”, declarou.

A primeira reunião será realizada no dia 18, marcada pelo secretário municipal de Governo, Francisco Rocha. O sindicato também pede reajuste de 10% (reposição da inflação mais aumento real), alegando basear o índice no próprio orçamento aprovado. “Definimos o reajuste em cima do crescimento da receita e, portanto totalmente viável, dentro da capacidade que a prefeitura tem”, justificou. Outra questão que volta à pauta é a ampliação do vale alimentação. Jandyra explicou que dos 6 mil só mil funcionários recebem o vale e o valor é de R$ 6. “É impossível comer com esse valor”, afirmou.

 



1 Comentário

  • gloria chagas.

    MORO EM DIADEMA A MAIS DE 51 ANOS SE EU FOSSE DIZER O QUE, QUE PENSO DO MEU PAIS E DE MINHA CIDADE EU SERIA JOGADA NA COVA VIVA E ESQUECIDA.MAS QUE AS COISAS PRECIS A MEHHLORAR AH PRECISA.

Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: