Possível desaceleração da economia chinesa pressiona mercados globais | Diário Regional

Possível desaceleração da economia chinesa pressiona mercados globais

11/03/2014 8:44
Print Friendly

Novos sinais de uma possível desaceleração da economia chinesa adicionaram tensão os mercados e derrubaram cotações de matérias-primas e de ações ligadas ao setor de commodities. A China é a maior compradora mundial de minério de ferro. Absorve metade das vendas externas brasileiras do produto, o principal na pauta de exportações do país.

Por isso, o desempenho da economia asiática é seguido com atenção por investidores no Brasil e no mundo. Pressionado por ações da Vale e de siderúrgicas, o Ibovespa recuou 1,54% e está no menor patamar desde julho de 2013. Dados divulgados no último fim de semana mostraram retração de 18% nas exportações chinesas em fevereiro. Analistas esperavam um avanço de ao menos 5%.

A desconfiança sob o ritmo de crescimento impôs afetou as Bolsas da Ásia logo pela manhã e se alastrou pelo mundo ao longo do dia. O minério de ferro referência no mercado chinês caiu 8,3%, a segunda maior queda já registrada. A cotação acumula retração de 22% desde o início do ano.

Empresas brasileiras exportadores de commodities amargaram fortes perdas, com as ações de siderúrgicas como CSN e Usiminas caindo mais de 3%. Os papéis da Vale caíram 2,66%, assim como os das principais mineradoras mundiais.

“Enquanto não tiver números que comprovem que o PIB (Produto Interno Bruto) da China vai crescer 7,5%, o mercado vai ficar nervoso. Se a China não melhora, o pessimismo não se dissipa”, afirmou Pedro Galdi, analista da SLW Corretora.

As ações da Petrobras também foram afetadas pela aversão ao risco que tomou o mercado. Os papéis da estatal recuaram 2,33% apesar do voto de confiança dado pelo mercado na captação feita pela companhia no exterior. Segundo a agência Reuters, a operação de bônus no exterior para captar US$ 8,5 bilhões teve uma demanda de US$ 22 bilhões.

Para analistas, a ausência de notícias positivas no Brasil colaboram para maior pressão da Bolsa local em dias de tormenta no mercado mundial. “Aqui a situação está um pouco pior porque tem a possibilidade de rebaixamento (da nota de crédito), eleição à frente, juros e inflação em alta. É uma somatória de dados que tem feito a Bolsa ficar de lado o ano inteiro” afirma Bruno Gonçalves, da WinTrade/Alpes Corretora.

No mercado de câmbio, o dia foi de trégua. O dólar comercial subiu 0,21%, contido por um movimento de correção após o avanço de mais de 1% registrado na sexta-feira.

 



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: