PPS quer pressão popular sobre CPI dos Uniformes Escolares | Diário Regional

PPS quer pressão popular sobre CPI dos Uniformes Escolares

09/03/2014 7:30
Print Friendly

PPS fará 80 encontros pelo município visando à prestação de contas dos trabalhos do partido. Foto: Divulgação O PPS de São Bernardo iniciará amanhã (10) as plenárias de prestação de contas pela cidade. No total serão 80 encontros em que, além de mostrar o que os vereadores do partido e o deputado estadual Alex Manente estão fazendo pelo município, vai servir para que a legenda aumente pressão popular sobre a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Uniformes Escolares.

A expectativa dos integrantes do partido é que o apoio popular faça com que o requerimento consiga, no mínimo, as dez assinaturas necessárias. “Espero que a pressão cresça, pois não tem como os vereadores não assinarem. Hoje está tudo claro sobre o assunto. Não tem como alguém falar que desconhece o fato. Então, vamos lutar junto com o povo pela CPI”, afirmou Julinho Fuzari (PPS).

A pressão popular teve início nas redes sociais. Munícipes compartilharam as fotos publicadas por Fuzari dos sete parlamentares que assinaram a proposta: Estevão Camolesi, Julinho Fuzari, Marcelo Lima; Osvaldo Camargo e Manuel Pereira Martins, o Dr. Manuel (ambos do PPS); Juarez Tadeu Ginez, o Juarez Tudo Azul (PSDB); e Pery Cartola (SDD).

Os governistas reclamaram da ação e afirmaram que estavam sendo cobrados nas ruas por não assinarem o requerimento. Alguns parlamentares chegaram a comentar que “a pressão era muito grande” e que estudavam a possibilidade de assinar a CPI.

Os oposicionistas aguardam resposta de Antônio Cabrera (PSB) e Hiroyuki Minami (PSDB) sobre apoio à matéria. Ambos querem mudanças nos trabalhos da comissão. A primeira é que a CPI seja mais focada, investigando pontos que não foram averiguados pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) e o Ministério Público (MP). A segunda mudança seria no cenário criado para a CPI. Governistas não querem que a comissão seja instalada como se fosse projeto oposicionista. “Tem de ser um projeto da Câmara, pois não é algo político, é uma questão muito séria”, afirmou Cabrera, ao destacar que o Executivo “não foi citado nas denuncias, mas sim, alguns funcionários. “Temos de ver se isso é verdade. Caso seja, temos de tirá-los de lá (administração)”, pontuou.

Segundo informações de bastidor, Minami não vai assinar a CPI, independentemente de mudanças. O motivo seria acordo entre o parlamentar e o Executivo, fechado em 2013, relacionado à obra do Anexo II, realizada durante a gestão de Minami à frente da Casa entre 2011 e 2012. O ex-presidente do legislativo negou veementemente a negociação.

Na sessão realizada na última quinta-feira (6), os vereadores Fábio Landi e Rafael Demarchi (ambos do PSD), e Mauro Miaguti e Reginaldo Ferreira da Silva, o Reginaldo Burguês (ambos do DEM), tentaram conquistar 15 assinaturas para o requerimento que pede informações sobre a auditoria, aprovada em março de 2013. Além dos quatro parlamentares, somente Gilberto França (PMDB) assinou.

Palavras-chave:


1 Comentário

  • Patrícia

    Tem que mostrar a cara de quem não quer assinar a CPI do Uniforme.
    Se não querem assinar, não estão a favor dos munícipes e precisamos guardar bem a cara deles pra que possamos bani-los da Política na próxima eleição.
    Estamos cansados de tanta robalheira, de tanta falcatrua, de tantos abusos!
    Nós colocamos eles lá pra nos representar, se não estão representando, temos todo o direito de tirá-los!
    Brasil da corrupção!!!!

Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: