Mãe mata filho, namorada dele e comete suicídio em SP | Diário Regional

Mãe mata filho, namorada dele e comete suicídio em SP

08/03/2014 10:06
Print Friendly, PDF & Email

Uma mulher, o filho dela e a namorada do filho foram encontrados mortos na manhã de ontem (7) dentro de um apartamento de alto padrão na Vila Leopoldina, na zona oeste de São Paulo. Segundo a polícia, a pediatra Elaine Moreira Munhoz, 56, matou o casal e se matou. O motivo da tragédia ainda está sendo investigado, mas a polícia diz que a mulher não gostava do relacionamento do filho com a namorada – ambos eram estudantes de medicina.

A polícia afirmou que Elaine sofria de depressão e estava descontente com o desempenho dele na faculdade. De acordo com o depoimento da empregada da família, que estava no apartamento avaliado em cerca de R$ 1,4 milhão, Elaine atirou na namorada do filho, Mariana Marques Rodella, 25, por volta das 8h, quando o rapaz saiu para andar com seu cão.

Ao chegar em casa, Giuliano Munhoz Landini, 25, foi baleado. O casal namorava havia cerca de seis anos. O pai dele, o cirurgião Alexandre Landini, havia saído para trabalhar horas antes. A empregada disse ter fugido do local ao ouvir os tiros.

Segundo o delegado Daniel Cohen, Mariana estava dormindo quando foi atingida, o filho foi morto na sala, e Elaine se matou no quarto. Elaine usou um revólver calibre 38 e disparou sete ou oito vezes. A polícia ainda não identificou o dono da arma – Alexandre Landini disse não ser dele.

A Santa Casa, onde Giuliano cursava o 4º ano, decretou luto de três dias. A Universidade Santo Amaro, onde Mariana cursava o 6º ano, também lamentou o caso.

Gritos

Vizinhos disseram ter ouvido gritos antes dos disparos. A empregada Maria de Jesus de Souza, 53, que trabalha no quinto andar do mesmo prédio, disse ter identificado a voz de Giuliano. “Ouvi barulhos de móveis arrastando e o menino gritando “não, não, não’”, contou. Maria disse que vizinhos comentavam sobre brigas por causa do relacionamento. “Ela não aceitava o casamento do único filho.”

O médico Rafael Criscuolo, colega de Elaine na Unidade Básica de Saúde (UBS) de Alto de Pinheiros, disse que ela havia trabalhado até antes do Carnaval, mas estava triste. Mariana era sobrinha de um magistrado, segundo a polícia. O secretário Fernando Grella (Segurança Pública) esteve no local ontem – segundo a pasta, por motivos pessoais, por conhecer a família.



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: