Relevância de projetos é questionada na Câmara de São Bernardo | Diário Regional

Relevância de projetos é questionada na Câmara de São Bernardo

04/03/2014 12:31
Print Friendly

Camargo: “esses projetos são eleitoreiros” - Foto: ArquivoSÃO BERNARDO – Dia do Samba, do Padeiro, do Escoteiro. Por meio de acordo de lideranças, uma série de homenagens foi aprovada na Câmara de São Bernardo, mas um projeto de Antônio Carlos da Silva, o Toninho da Lanchonete (PT), que cria o Dia da Beleza, foi criticado por Osvaldo Camargo (PPS), que o considerou “ridículo”.

“Tenha respeito por essa Casa. Tanta coisa importante para falar e o senhor (Toninho) vem com um projeto desses, que cria o Dia da Beleza? Esses projetos são eleitoreiros, visam a agradar a muitas pessoas por causa de voto. Se é para fazer assim, então admita que esse é o objetivo. Não dá para votar um projeto desses”, disse Camargo, na tribuna.

A crítica feita pelo oposicionista levou Toninho da Lanchonete a recuar no pedido de votação. “Não tenho nada contra quem não tem beleza, mas peço que o projeto seja adiado por uma sessão para que eu possa explicá-lo ao nobre vereador (Camargo)”, disse o petista, que teve o pedido de adiamento aprovado por unanimidade pelo colegiado.

Mesmo com o adiamento, o popular-socialista votou a reclamar da matéria. “O pessoal quer criar o ‘dia de não sei o que’ só para fazer sessão solene e ficar bem diante da população. Nunca fiz isso desde que entrei na Câmara. No dia em que fizer uma sessão solene, será sobre algo realmente relevante para a cidade”, enfatizou Camargo.

Sem se identificar, outros parlamentares afirmam que a Câmara deveria votar projetos mais relevantes e revelam receio de que essa situação “arranhe” a imagem da Casa. Tanto que, dificilmente, propostas que criam dias comemorativos são votadas no plenário – geralmente são aprovadas por meio de acordos de liderança, juntamente com requerimentos de informação e pedidos de recapeamento de rua ou instalação de pontos de ônibus, entre outros.

Constituição

Sem os projetos do Executivo – que, quando enviados à apreciação dos vereadores, são prontamente apreciados –, a Câmara dificilmente vota matérias de autoria da Casa. Ocorre que a Constituição proíbe o vereador de elaborar propostas que onerem a prefeitura, o chamado vício de iniciativa. Assim, as sessões sofrem demoradas interrupções para o atendimento a grupos de manifestantes que pedem alguma ajuda a Casa, além de reuniões de bancada.

O projeto mais relevante que está na pauta é o da Ficha Limpa, que visa impedir a prefeitura de contratar pessoas com condenações na Justiça, de autoria de Paulo Dias (PT). A matéria está na lista de urgência desde dezembro de 2013, sequer foi discutido em plenário. Dias já revelou que tem dificuldade para conseguir assinaturas e levar a proposta à votação.



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: