Banco Mundial adia empréstimo a Uganda após lei antigay | Diário Regional

Banco Mundial adia empréstimo a Uganda após lei antigay

01/03/2014 10:28
Print Friendly, PDF & Email

O Banco Mundial adiou empréstimo de US$ 90 milhões para o sistema de saúde de Uganda após o país aprovar uma lei que endureceu a punição para gays. É uma atitude incomum para uma instituição que normalmente evita se imiscuir em temas políticos. O Conselho Executivo do Banco deveria ter aprovado o projeto de saúde na quinta-feira.

O dinheiro seria destinado a complementar um empréstimo de 2010 direcionado à saúde materna, ao recém-nascido e ao planejamento familiar. “Adiamos o projeto, para uma posterior revisão, para assegurar que o andamento dos seus objetivos não seja afetado pela promulgação desta lei”, informou por e-mail o porta-voz do Banco Mundial, David Theis. O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, aprovou no início da semana a lei que endurece as punições contra homossexuais.

As condenações previstas pela nova lei incluem a prisão perpétua para os que forem considerados praticando atos “com agravo”, definidos como a prática de sexo gay consentida entre adultos ou que envolva menores de idade, deficientes e pessoas contaminadas com o HIV.

O Banco Mundial, instituição de combate à pobreza com base em Washington, geralmente se abstém de se envolver na política interna dos países ou em questões como direitos dos homossexuais para evitar constrangimentos com qualquer um dos seus 188 países-membros.

O presidente do banco, Jim Yong Kim, no entanto, enviou um e-mail para os funcionários dizendo que a instituição se opõe à discriminação e iria proteger a segurança de todos os funcionários.

Disse que a aprovação da lei de Uganda não foi um incidente isolado, já que 83 países proíbem a homossexualidade e mais de cem discriminam as mulheres. O banco tem um portfólio de US$ 1,56 bilhão de dólares em projetos em Uganda, classificado como um dos países mais pobres do mundo.

O adiamento de empréstimo pelo Banco Mundial segue anúncios feitos pela Noruega e pela Dinamarca de que iriam segurar doações para Uganda por causa da nova lei. Outros doadores também têm ameaçado seguir o exemplo dos dois países.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, conversou por telefone com o presidente de Uganda e expressou a profunda decepção de seu país com a decisão do governo ugandense de aprovar a lei. Kerry observou que a decisão complica as relações dos EUA com Uganda.

Também discutiram o impacto negativo da lei sobre os esforços de saúde pública, incluindo aqueles para enfrentar a Aids, e sobre o turismo e o investimento estrangeiro em Uganda



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: