Morre aos 66 anos Paco de Lucía, o revolucionário da música flamenca | Diário Regional

Morre aos 66 anos Paco de Lucía, o revolucionário da música flamenca

27/02/2014 10:04
Print Friendly, PDF & Email

Foto: DivulgaçãoO violonista espanhol Paco de Lucía morreu ontem (26), em Cancún (México), em consequência de ataque cardíaco. Ficou conhecido mundialmente por revolucionar e popularizar o flamenco. O artista brincava na praia com os filhos quando passou mal repentinamente e morreu a caminho do hospital, segundo familiares.

“Não há consolo nem para os que o conheciam, nem para os que o amavam sem conhecê-lo”, disse a família do músico em nota. Segundo os parentes, Paco “viveu como quis” e morreu “ao lado do mar”. O espanhol, que teve cinco filhos, tinha 66 anos e era casado pela segunda vez.

O corpo do músico foi levado para Algeciras, sua cidade natal, na província de Cádiz, no sul da Espanha, onde será velado e sepultado. A cidade decretou três dias de luto.

Paco de Lucía, a partir dos anos 1960, revolucionou o flamenco, até então “uma música de museu”, como dizia. Introduziu no estilo novas influências, como jazz, bossa nova, blues, salsa e pop. Apreciador da música brasileira, gravou com Djavan uma versão de Oceano.

“Por que contar as coisas com dez palavras se você pode usar cem?”, disse na sua última entrevista à Folha de S.Paulo, em novembro, sobre a mistura de ritmos. “Abri uma porta para que entrasse ar, com muito respeito à tradição, mas não obediência, o que é muito diferente.”

Naquele mês, o músico tocou em São Paulo, Rio e Porto Alegre, após 16 anos sem vir ao país -“porque é muito longe”, justificou, acostumado a viajar pela Europa.

Na passagem pela capital gaúcha, aproveitou para assistir a um show do violonista Yamandu Costa que, ao final, conversou com o colega no camarim. “Se aproximou de mim de uma forma muito espontânea. Deu uma olhada no meu violão e conversamos sobre instrumentos, seu repertório”, lembra Yamandu.

“O violão está de luto no mundo. Seu legado não morre. Conseguiu levar a música do lugar dele para o mundo, como o Tom Jobim fez com a música carioca ou o (Astor) Piazzolla com o tango”, diz o gaúcho.

O impulso inicial da carreira de Paco foi dado por seu pai, Antonio Sánchez, que cantava flamenco e o obrigou a aprender violão.

Francisco Sánchez Gómez -seu nome de batismo – formou aos 12 anos dueto com o irmão Pepe nos vocais. Aos 15, já colaborava em gravações em Madri, por vezes sem ganhar crédito nos álbuns. Na capital espanhola, conheceu Camarón de la Isla (1950-1992), maior expoente do canto no flamenco moderno, com quem fez suas principais parcerias.

Apesar da técnica apurada, Paco dizia não gostar de fazer exercícios tradicionais no violão. “Isso é muito chato, me deixa nervoso, me perturba”, contou à Folha. O espanhol, no entanto, era rigoroso: antes de shows, aquecia as mãos no instrumento durante duas horas.

Já em casa, preferia relaxar. “Quando fecho a caixa do violão, a última coisa que quero é que falem comigo sobre isso”, contou, rindo.



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: