Paulinho Serra descarta extinção de faixa na rua Carijós | Diário Regional

Paulinho Serra descarta extinção de faixa na rua Carijós

25/02/2014 10:12
Print Friendly

Paulinho Serra afirmou que faixas de ônibus são política de Estado - Foto: ArquivoO secretário de Mobilidade Urbana, Obras e Serviços Públicos de Santo André, Paulinho Serra (PSD), vai se reunir com comerciantes da Rua Carijós a fim de debater soluções viárias para a via na próxima quinta-feira (27). Os lojistas se queixam da nova configuração da rua, que agora tem apenas uma faixa no sentido bairro e duas sentido Centro – suficiente apenas para o tráfego na faixa exclusiva para ônibus. As alterações foram feitas no início de janeiro.

Uma das críticas é que a demarcação inviabiliza o estacionamento de veículos em geral, em especial, para carga e descarga de mercadorias. O secretário informou que um estudo sobre o assunto está sendo realizado por engenheiros e arquitetos da prefeitura, mas descarta a possibilidade de extinguir a faixa, que funciona das 6h às 10h, de segunda a sexta-feira. “As faixas de ônibus estão consolidadas como política de Estado e a prioridade nacional é para o transporte público”, disse Paulinho.

Além de se reunir com cerca de 40 comerciantes na última sexta-feira (21), Serra ouviu críticas outras duas vezes dos munícipes. Empresários, inclusive, cogitaram uma manifestação e foram até a Câmara reclamar das mudanças. Há duas semanas, o lojista Paulo Adriano Cardoso Ribeiro utilizou a tribuna livre do Legislativo para falar do descontentamento do comércio, argumentando até redução de clientela.

O vereador Ailton Lima (SDD) também participou do encontro e disse que uma das possibilidades levantadas seria a redução de 80 cm de cada lado da calçada da rua de 3 km de extensão. “Uma calçada bem feita é menos acidentada e, com certeza, melhor do que a que existe hoje”, disse, sobre a possibilidade de padronização do espaço do pedestre. Serra não quis comentar o assunto, pois afirmou que precisa dos levantamentos técnicos.

A normativa 9.050 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), assim como a legislação andreense, estabelece a largura mínima de 1,2 m para as calçadas. Segundo um relatório divulgado pelo instituto Mobilize Brasil, apesar de a responsabilidade do calçamento recair sobre os donos dos imóveis, “as grande cidades mundiais, que apresentam bons sistemas de calçadas, como Nova York, Barcelona, Paris e Berlim, mantêm a conservação dessas faixas sob estrito controle das prefeituras”.



1 Comentário

  • Palmeirense RP

    Este corredor de ônibus não passa de uma burrice Petista, que quer imitar o Hadad, as ruas estreitas de Santo André não comportam corredor.O governo estimula vc comprer carro e a prefeitura proíbe vc de usá-lo!

Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: