Ato contra Copa em S.Paulo termina em vandalismo e 120 presos | Diário Regional

Ato contra Copa em S.Paulo termina em vandalismo e 120 presos

23/02/2014 7:46
Print Friendly

Ato saiu da Praça da República com cerca de mil pessoas e terminou em confronto com integrantes da PM. Foto: Reprodução/GloboProtesto contra a realização da Copa do Mundo terminou com cenas de vandalismo e confronto entre policiais militares e manifestantes, no Centro de São Paulo, ontem (22). Segundo a Polícia Militar, cerca de 120 suspeitos de terem cometido atos de vandalismo foram detidos e levados para o 78º DP (Jardins).

O ato saiu da praça da República com cerca de mil pessoas, segundo a PM, e percorreu diversas ruas do centro de São Paulo. Antes de começarem as depredações dos adeptos da tática “black bloc”, um grupo de cerca de 150 manifestantes foi isolado por PMs com escudos.

Foram obrigados a se agachar na rua e chegaram a ser agredidos com golpes de escudos.

O repórter da Folha de S. Paulo Reynaldo Turollo Jr. estava neste grupo e também foi alvo dos policias. Ele levou um gravata de um PM, foi arrastado para fora do cerco e jogado ao chão depois que se identificou como jornalista e começou a filmar com um celular.

Em nota, a  Secretaria de Segurança Pública lamentou a agressão sofrida pelo repórter.

De dentro do cerco, manifestantes escolhidos pelos policiais eram levados, um a um, para averiguação. Segundo um dos PMs, foram achados um coquetel molotov e bolas de gude em uma das mochilas.

Jornalistas de outros veículos também foram agredidos. Um repórter fotográfico de um site disse que seu equipamento foi danificado por um policial. Até o fechamento da edição, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo não se manifestou a respeito das agressões.

Esse foi o primeiro protesto que contou com a participação da “tropa do braço” da Polícia Militar – grupo com conhecimento de artes marciais que vai ao protesto sem armas de fogo com a função de separar da multidão pessoas suspeitas.

 

Black Blocs

Ao cercar as pessoas que vinham imediatamente atrás de onde estava a maioria dos mascarados, a PM deixou os “black blocs” isolados à frente. Pouco depois começaram as depredações, nas ruas Sete de Abril e Xavier de Toledo. A polícia respondeu aos atos de vandalismo com bombas de gás lacrimogêneo.

Durante todo o ato, pessoas gritavam palavras de ordem contra a realização do mundial. “Não vai ter Copa. Não vai ter Copa”, gritavam. Ao menos dois manifestantes e cinco policiais se feriram, segundo a PM.

Palavras-chave:


Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: