Parcelamento de impostos deve ser prorrogado até junho em Santo André | Diário Regional

Parcelamento de impostos deve ser prorrogado até junho em Santo André

22/02/2014 13:09
Print Friendly, PDF & Email

Grana garante que a prorrogação se deve ao sucesso do programa - Foto: ArquivoSANTO ANDRÉ – A Câmara de Santo André deve apreciar em segunda votação a extensão do Programa de Recuperação Extraordinária de Créditos Fazendários (Recref), o popular Refis, na próxima semana. A expectativa é de que os vereadores da base petista apresentem emenda fazendo com que a iniciativa, lançada em novembro de 2013, valha até junho. Pela lei em vigor, a iniciativa termina em 28 de fevereiro.

O prefeito Carlos Grana (PT) garante que a prorrogação do Recref se deve ao sucesso da iniciativa. “Vale a pena continuar. É uma coisa boa para o município e para o cidadão, que consegue equacionar suas dívidas”, comentou o petista, que acredita que os valores parcelados tenham superado a marca de R$ 34 milhões.

O secretário de Finanças, Antonio Carlos Lopes Granado, informou em agosto que a cidade esperava receber R$ 45 milhões com o programa.

O Paço já negociou R$ 33,2 milhões, segundo levantamento da prefeitura até janeiro. Desse total, R$ 9,4 milhões já engordaram os cofres municipais, já que a negociação oferece a possibilidade de parcelamento em até 60 vezes. “Incluiremos algumas formas de parcelamento e inclusão de débitos e créditos que não estão previstos no primeiro projeto”, reiterou Grana recentemente.

O prefeito evidenciou que as negociações de impostos atrasados estão sendo mais assertivas este ano. “A eficiência (de arrecadação) se mostrou melhor em janeiro”, disse. O petista considerou que por ter sido lançado em dezembro, muita gente deixou de aderir devido às férias. Somente nos 15 primeiros dias, o Paço negociou R$ 4 milhões.

Na região

Outras prefeituras da região também criaram programas para facilitar a quitação de débitos municipais, como Imposto Predial Territorial e Urbano (IPTU) e Imposto Sobre Serviços (ISS). O prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), encerrou o ano com R$ 108 milhões negociados, valor dez vezes maior que o obtido em São Caetano: R$ 10 milhões. Diadema conseguiu R$ 32,2 milhões com parcelamentos e Mauá engordou a arrecadação em
R$ 50,9 milhões. O Refis de Ribeirão Pires alcançou R$ 16,8 milhões.



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: