Refilmagem de Robocop divide crítica estrangeira | Diário Regional

Refilmagem de Robocop divide crítica estrangeira

16/02/2014 11:12
Print Friendly, PDF & Email

Longa é a primeira empreitada internacional do carioca José Padilha - Foto: DivulgaçãoA refilmagem de “RoboCop” pelo diretor carioca José Padilha (de “Tropa de Elite”), dividiu a crítica especializada. O longa, que estreou ontem nos EUA – e na semana passada nos principais países da Europa-, chega ao Brasil no dia 21.

“É um amontoado ensurdecedor e maçante de cenas de ação que estão mais para (os jogos eletrônicos) ‘Call of Duty’ do que para ‘RoboCop’”, escreveu o crítico do jornal inglês “The Guardian”.

Para o “New York Times”, a “refilmagem respeitável tem elenco bem escolhido”. Segundo a resenha, o diretor vai melhor quando “chega mais próximo dos atores”, do que na ação, “repleta de violência e computação gráfica”.

Na avaliação da revista “Variety”, o filme é menos divertido que o original, mas “tem um toque de alma”. Segundo Guy Lodge, crítico da revista, a sátira migrou da “ganância corporativa ao patriotismo pós-11 de Setembro”.

No site “Rotten Tomatoes”, que reúne resenhas publicadas na imprensa de língua inglesa, o longa obteve avaliação média de 50%. “É melhor do que poderia ter sido, mas não trouxe aprimoramentos significativos em relação ao original”, informa o site, que reuniu 122 críticas.

No “Metacritic”, que também compila as resenhas em inglês, a avaliação geral foi 53% positiva.
A primeira versão de “RoboCop” saiu em 1987, pelas mãos do holandês Paul Verhoeven. Espécie de crítica ambígua ao liberalismo econômico e à paranoia armamentista do governo Reagan, o longa mostrava uma Detroit futurista na qual um policial transformado em ciborgue combatia o crime.

A refilmagem segue o roteiro original, mas enfatiza as relações do policial-robô Alex Murphy (Joel Kinnaman) com a mulher (Abbie Cornish) e o filho (John Paul Ruttan).

O elenco tem ainda Samuel L. Jackson como um apresentador de televisão conservador, além dos atores Gary Oldman e Michael Keaton.

O filme, que custou cerca de US$ 100 milhões (R$ 240 milhões), é a primeira empreitada internacional de Padilha. O longa conta com os brasileiros Lula Carvalho (“Tropa de Elite”) na direção de fotografia e Daniel Rezende (“Cidade de Deus”) na montagem.



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: