Apoiadores de Cristina usam cartazes para criticar empresários do país | Diário Regional

Apoiadores de Cristina usam cartazes para criticar empresários do país

09/02/2014 6:05
Print Friendly, PDF & Email

Uma organização kirchnerista, que apoia o governo de Cristina Kirchner, espalhou por Buenos Aires cartazes com a cara dos principais empresários do país, acusando-os de estarem “roubando” o dinheiro dos argentinos com aumentos de preços.

Desde a maior desvalorização do peso em 12 anos, ocorrida no dia 23 de janeiro, a Casa Rosada chama os empresários de conspiradores e especuladores. “Conheçam. Estes são os que roubam os seus salários”, dizem os cartazes. Abaixo, estão as fotos dos executivos das maiores redes de supermercados e lojas de eletrônicos do país, como Carrefour, Jumbo, Disco, Coto, Wal-Mart e Fávrega.

Na legenda de cada foto, uma outra acusação: “Aumentou o preço de tudo para tirar o seu dinheiro”.
O material leva a assinatura da Unidos e Organizados, entidade que reúne diversas agrupações kirchneristas, incluindo a principal, La Cámpora, fundada pelo filho de da presidente, Máximo Kirchner. Os cartazes também atacam o presidente da Shell na Argentina, Juan José Aranguren.

Na semana passada, a petroleira havia reajustado o preço dos combustíveis em 12% por causa da alta do dólar. Após essa decisão, o chefe de gabinete da Presidência, Jorge Capitanich, disse que a atitude era “conspiratória” e atentava contra o país. Dois dias depois, o governo fez um acordo com todas as petroleiras e autorizou um reajuste de 6%. A Shell voltou atrás no aumento.
Suspensão
O Banco Central da Argentina interrompeu a liberação de dólares para as importações e pediu que as empresas posterguem os pagamentos aos seus fornecedores por 90 a 180 dias. Hoje os prazos estão entre 30 e 45 dias.
O objetivo é evitar a deterioração das reservas internacionais, que estão em apenas US$ 27,8 bilhões. A medida vale para as grandes empresas dos setores automotivo, siderúrgico, agroquímico e eletrônico, que já encontram dificuldades para obter dólares desde a semana passada.

A restrição atinge diretamente o Brasil, que exportou US$ 19 bilhões para a Argentina em 2013. As empresas brasileiras vão receber com atraso e temem um risco de calote se o país quebrar.

Palavras-chave:


Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: