Calor e falta de chuva afetam abastecimento no ABC | Diário Regional

Calor e falta de chuva afetam abastecimento no ABC

02/02/2014 14:19
Print Friendly, PDF & Email

Segundo a Sabesp, Sistema Rio Grande está com  93,3% da capacidade de armazenamento - Foto: Eberly Laurindo especial para o DRCom a baixa no nível dos reservatórios e a onda de calor deste início de ano, a possibilidade de água nas cidades do ABC vem causando maior preocupação. O Sistema Cantareira, um dos principais que abastecem a Grande São Paulo, está com o nível mais baixo dos últimos 10 anos. A falta de chuvas em dezembro, o menor índice dos últimos 84 anos, agravou o problema, deixando o sistema com apenas 24% da capacidade.

Apesar dos relatos de falta de água em quase todos os municípios, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) alega que a entrega de água no atacado para Diadema e Santo André está normal, e que é responsabilidade do município a distribuição até os imóveis dos moradores – no caso, a Companhia de Saneamento de Diadema (Saned), praticamente extinta, e o Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André (Semasa).

O Sistema Rio Grande é responsável pelo abastecimento de água em Santo André, Diadema e São Bernardo, sendo que a cidade andreense também recebe água do Sistema Rio Claro. Atualmente, segundo a Sabesp, ambos operam com volume armazenado normal, 93,3% e 100%, respectivamente.

Santo André

No entanto, Santo André tem queixas mais frequentes em relação ao abastecimento. O que levou um grupo de moradores do Jardim Oratório a colocar faixas de reclamação pelas ruas do bairro. Após diversas faixas terem sido retiradas, os moradores passaram a colocá-las no portão de suas próprias casas. “Depois que isso saiu no jornal muita gente nos procurou querendo fazer a mesma coisa. O problema não é só aqui”, destacou Luiz Carlos Pinheiro, morador do bairro.

Segundo o munícipe, com a repercussão do protesto, os moradores avistaram funcionários do Semasa observando as casas, anotando e fotografando as que estão com faixas. “Nos sentimos meio intimidados”, destacou Pinheiro, contando que agora os moradores pretendem organizar uma passeata.

Em nota, a Semasa informou desconhece a ida de funcionários ao Jardim Novo Oratório e por isso não pode se pronunciar sobre o ocorrido. Afirmou que é princípio do Semasa apoiar todo tipo de liberdade de expressão, desde que pacífica, sendo contra intimidações.

Sobre a falta de água, a companhia alega que o baixo nível de chuvas para este período do ano e as altas temperaturas estão afetando o nível dos mananciais da Grande São Paulo e, por consequência, a produção de água destinada à cidade.

Segundo o Semasa, Santo André é 94% abastecido pelo Sistema Metropolitano de Água da Sabesp, que também enfrenta o mesmo problema.Normalmente, 74% da água consumida em Santo André vem do Sistema Rio Claro (Biritiba Mirim), 20% do Sistema Rio Grande (Billings) e 6% é produção própria, da ETA Guarará (captação no Pedroso). Em situações de alto consumo, a Sabesp também envia água do Sistema Cantareira para Santo André, mas este sistema está em situação crítica.

Assim como a Sabesp, o Semasa está fazendo campanha institucional para alertar sobre a necessidade de economizar água, com adoção de hábitos simples como banhos curtos, consertar vazamentos rapidamente e não lavar calçadas e carros com mangueira.

São Bernardo

Já em São Bernardo, onde o abastecimento é de total responsabilidade da Sabesp, a companhia informou que nos bairros Planalto, Centro, Jardim do Mar e Rudge Ramos, o abastecimento esteve em processo de normalização até a madrugada de quarta-feira (29). O desabastecimento nos bairros Jardim do Mar, Centro, Rudge Ramos foi em razão do baixo nível do reservatório Nova Petrópolis, ocasionado pelo aumento da temperatura e, consequentemente, do consumo. No bairro Planalto, conforme a Sabesp, o problema de abastecimento ocorreu em razão da falta de energia na Estação Elevatória de Água Planalto.

Sabesp dará desconto para quem baixar o consumo

A Sabesp divulgou ontem (1º) o plano de incentivo à redução do consumo de água para os usuários do sistema Cantareira, que atingiu em janeiro seu nível mais baixo.

O plano prevê a concessão de 30% de desconto sobre o valor da conta para quem reduzir a partir de 20% de seu consumo médio (em relação aos últimos 12 meses).

Com isso, de acordo com a presidente da Sabesp, Dilma Pena, a redução real do custo da conta pode chegar a 48%. “Nós confiamos que esse incentivo será suficiente para o abastecimento da população”, disse ela.

O desconto valerá apenas para quem for abastecido pelo Cantareira, principal sistema da Grande São Paulo, responsável pelo abastecimento de 8,4 milhões de habitantes.

O manancial fornece água para as zonas norte e central da capital, além das cidades de Barueri, Caieiras, Carapicuíba, Francisco Morato, Itapevi, Jandira, Osasco e Santana de Parnaíba. Partes de Guarulhos, São Caetano do Sul e da zona oeste da capital também são abastecidas pelo Cantareira.

Para saber se tem direito ao incentivo, o consumidor pode olhar em sua conta qual sistema lhe fornece água. O plano começa a vigorar este mês e deve se estender até setembro. A Sabesp diz ainda estudar o impacto financeiro do incentivo. A presidente diz não acreditar em racionamento. “Não está no nosso radar.”



5 Comentários

  • Aqui no Jardim Silvana, Santo André….estamos sem uma gota de água tb

  • rosangela lima

    moro em maua graça a deus na minha casa tem água pq a onde eu moro tenho uma mina de agua .e que deus permita nunca falta

  • Moro em maua. A agua ja esta em falta a 6 dias. Tenho filho pequeno. Peeciso dar banho nele estou usando agua mineral. Agente os pais nem tomam banho. Um absurdo kade o Donizete quando quer voto esta ai por perto agora sumiu apareca se for homem. E coloque agua no jardim anchieta em maua

  • Moro no Jd Stella estamos passando frequentemente por falta de agua. Chegamos a três dias sem nada de agua hj (03/08/2014)

  • Moro no bairro de Camilópolis, onde a falta de água é constante, acredito que devido à origem que é o sistema Rio Claro, pois em bairros como Parque das Nações o abastecimento está normal. Seria de grande importância a Semasa incentivar a economia com redução nas tarifas como está fazendo inteligentemente a Sabesp, até porque observando a falta de chuvas, teremos racionamento sim, embora a autarquia de Santo André negue.

Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: