Câmara vai gastar R$ 121 milhões em apartamentos para deputados

26/12/2013 17:55
Print Friendly

Biffi: “quem tiver mais tempo de Câmara, terá prioridade” - Foto: DivulgaçãoBRASÍLIA – A Câmara dos Deputados estima gastar mais R$ 121 milhões na reforma de sete blocos de apartamentos funcionais em Brasília. O Diário Oficial da União trouxe no início da semana, contrato de R$ 41 milhões para fazer a reforma de três prédios. Ao mesmo tempo, a Casa recebeu a autorização do governo do Distrito Federal para realizar, em quatro blocos, a divisão de cada apartamento em dois, ao custo estimado em R$ 80 milhões. O edital de licitação deve sair no primeiro semestre de 2014.

O objetivo das obras é acabar com o auxílio moradia pago atualmente a 197 deputados devido à falta de imóveis para todos. Cada um recebe R$ 3,8 mil mensais. Como o gasto com a manutenção dos apartamentos é, em média, de R$ 2,2 mil por mês, a Casa conseguiria fazer uma economia anual de R$ 3,8 milhões ao final do processo
Desde 2007, a Casa já gastou R$ 76,9 milhões na reforma de outros seis prédios. Algumas obras arrastam-se por seis anos devido à falência das empreiteiras contratadas. Com a conclusão destes projetos em andamento, a Casa totalizará investimento de R$ 198,6 milhões para alcançar a economia desejada. O gasto será de quase R$ 500 mil por apartamento reformado. A nova versão do plano de reformas tem orçamento inferior aos R$ 280 milhões previstos no início do ano porque houve a exclusão de cinco blocos do planejamento, além de alteração no projeto dos apartamentos que serão divididos.

Ao todo, a Câmara administra 18 prédios de imóveis funcionais na capital federal, que são de propriedade da União. A reforma de três dos prédios deve ser retomada em janeiro após a empresa que tocava a obra ter quebrado tendo feito menos de 20% da obra. O projeto prevê uma reforma completa na fachada e no interior dos apartamentos, inclusão de sistema de gás encanado e de aquecimento de água por sistema de captação de energia solar e até banheira de hidromassagem, ao custo unitário estimado em R$ 4 mil.

Atualmente são 432 apartamentos. Com o projeto de divisão em quatro dos blocos, este número saltará para 528, 15 a mais do que o número de parlamentares na Câmara.

O deputado Antonio Carlos Biffi (PT-MS), quarto-secretário da Câmara, admitiu que, com a divisão, vai ocorrer disputa entre os parlamentares pelos apartamentos maiores. “Quem tiver mais tempo de Câmara, vai ter prioridade”, disse o deputado, espécie de síndico.

Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e serão removidos.