S.Bernardo manterá aberta Estrada do Montanhão | Diário Regional

S.Bernardo manterá aberta Estrada do Montanhão

22/10/2011 10:54
Print Friendly

Há mais de um ano, dois municípios da região brigam por conta de questões importantes, sendo uma de cunho ecológico e outra social. Foi decretado este mês pelo Ministério Público (MP) de Santo André que a Estrada do Montanhão, na divisa com São Bernardo, deve ser fechada até o dia 15 de dezembro.

No entanto, o pedido, que foi expedido pelo promotor de Meio Ambiente do Ministério Público de Santo André, José Luiz Saikali, não deve ser acatado pela administração de São Bernardo.

Com cerca de cinco quilômetros, o trecho tem início no bairro Jardim Silvina, em São Bernardo, e termina no Parque do Pedroso, em Santo André, espaço que abriga cerca de mil moradores, além de pertencer a área de preservação ambiental com fragmentos da Mata Atlântica. Segundo justificativa da administração andreense, a via polui o Parque, pois o entorno virou depósito de lixo, contaminando o solo e prejudicando os animais.

No entanto, contrariando a decisão judicial, o secretário do Meio Ambiente de São Bernardo, Gilberto Marson, afirmou em entrevista exclusiva ao Diário Regional, que não vai cumprir o pedido do MP. “O impacto ambiental existe há muitos anos e o parque foi criado depois do bairro. Não temos orçamento para uma nova estrada de quatro quilômetros, que traria agravamento ambiental quatro vezes maior no entorno de Santo André e, por isso, não vamos fazer”, pontuou.

Ainda de acordo com Marson, cerca de mil famílias seriam prejudicadas, pois o bairro Baraldi ficaria totalmente isolado com o fechamento da passagem. “A Justiça está se mostrando insensível. Desde março de 2010 acompanhamos os moradores, que se sentem excluí­dos do processo e desesperados. Tomaremos qualquer medida que evite injustiça. Caso se tornem infrutíferas essas tentativas, teremos embate ainda maior”, ameaçou.

Instalação de ecopontos – Entre as possíveis soluções para a preservação ambiental, o secretário apontou a instalação de ecopontos, câmeras de monitoramento da área, fiscalização e capacitação de agentes socioambientais que auxiliam na questão. Segundo Marson, “são pessoas de fora que desovam lixo no local e não a própria comunidade”.

O Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André (Semasa) informou que ainda aguarda o recebimento da Ata do Termo de Audiência que contemporiza todas as questões sugeridas na última audiência realizada no dia 22 de setembro, entre todas as partes envolvidas, na 1º Vara da Fazenda Publica, Comarca de Santo André e que só então se pronunciará sobre o assunto.



Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários discriminatórios ( contra raça, sexualidade, cor, crença e outros) , que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos internautas , removidos ou não publicados pela redação.
%d blogueiros gostam disto: